Continua após a Publicidade

GLOBO ESPORTE: Por Fred Justo e Sérgio Rangel

Dezembro de 2013. Pedro era a revelação do Campeonato Carioca sub-20. Detalhe: ele tinha apenas 16 anos e marcara 20 gols com a camisa do modesto Duque Caxiense, time da Baixada Fluminense.

Continua após a Publicidade

Naquele mês, o treinador Gilberto Figueiredo enviou um email para a Federação do Rio de Janeiro pedindo o desligamento do atleta do clube. Com o aval da Ferj, Pedro se transferiu sem custo para o Artsul, outro clube da Baixada Fluminense. Nesta negociação, o Artsul virou dono de parte dos direitos econômicos do atleta. Lá, Cristiano da Costa Pereira, que era vice-presidente do clube, se tornou empresário de Pedro ao lado de Marcio Coutinho dos Santos.

Sete meses depois, o atacante assinou com o Fluminense sem nunca ter jogado pelo Artsul. Só na compra em definitivo feita pelo Flamengo neste ano, o Artsul deve receber R$ 9 milhões. Em dezembro, o Flamengo fechou acordo com a Fiorentina para pagar 14 milhões de euros por Pedro (cerca de R$ 90 milhões na cotação atual).

No ano passado, o presidente do Duque Caxiense, Carlos Roberto Silva, entrou com uma queixa na Delegacia de Defraudações Ele acredita que a saída do atleta do clube foi ilegal.

No último domingo, o Esporte Espetacular revelou que Pedro é pivô de outro caso na mesma delegacia. A reportagem mostrou que o Bangu foi incluído no histórico de formação do atacante, mesmo sem ele ter nunca jogado lá, como Pedro afirmou em depoimento na Polícia.

Assim, o Bangu recebeu cerca de R$ 200 mil da Fiorentina como clube formador do atleta. O time de Moça Bonita pode receber mais R$ 400 mil do Flamengo, que dividiu em seis vezes o pagamento do mecanismo de solidariedade, uma espécie de gratificação criada pela Fifa para incentivar a formação de atletas.

No caso da transferência do jogador para o Artsul, a Delegacia de Defraudações quer saber como um email assinado por um treinador foi aceito pela Ferj para liberar um atleta e como a transferência apareceu no BID (Boletim Informativo Diário da CBF) no dia 4 de dezembro, se o pedido do técnico só foi feito no dia 5.

Em depoimento, a mãe de Pedro admitiu que após o filho sair do Duque Caxiense recebeu R$ 80 mil de empresários que até hoje trabalham com o filho dela e repassou parte desse dinheiro a Gilberto, ex-treinador do clube.

Na Delegacia, Maria Cristina Gomes de Abreu disse que “doou” R$ 50 mil para Gilberto “por livre e espontânea vontade, reconhecendo a contribuição e esforço” do ex-técnico.

Já Gilberto negou, em depoimento, que tenha recebido dinheiro pela saída do atleta e disse que tinha poderes dados de forma “verbal” pelo então presidente do clube para liberar Pedro do Duque Caxiense. Procurado por telefone e mensagem, Gilberto não quis gravar entrevista.

Tentamos conversar com a mãe de Pedro na saída da delegacia, mas ela não quis dar entrevista. O jogador preferiu não se manifestar.

Em depoimento, Marcio e Cristiano negaram ter dado dinheiro aos pais do jogador e a Gilberto. Os dois não quiseram dar entrevista sobre o caso. A CBF informou que, naquela época, o BID era feito com base nas informações enviadas pelas federações estaduais. Em nota, a Ferj informou que agiu dentro da legalidade e prestará as informações só a Polícia.

Se os investigadores concluírem que houve estelionato e falsificação de documentos, os envolvidos poderão pegar de dois a seis anos de prisão.

Continua após a Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui